sábado, 29 de outubro de 2011

ÁFRICA - As crianças, em grande parte desnutridas, são as maiores vítimas de uma das piores epidemias de cólera



Este ano, na África ocidental e central, registraram-se mais de 85 mil casos de cólera, que provocaram a morte de 2.466 pessoas. Devido à dimensão e à periculosidade dos focos, a região está enfrentando uma das maiores epidemias de cólera de sua história. O índice de mortalidade, entre 2,3% e 4,7%, é elevado e pode tocar índices ainda mais altos em alguns distritos (nos Camarões varia de 1% a 22%).

As crianças são mais vulneráveis à doença porque se desidratam com mais rapidez, e as desnutridas correm ainda mais riscos. Em relação às epidemias de cólera, os aumentos mais significativos em 2011 foram registrados no Chade, Camarões e na República Democrática do Congo. Em três áreas fronteiriças da África ocidental e oriental a epidemia já eclodiu: a bacia do lago Chade (entre Chade, Camarões, Nigéria e Niger), a bacia oriental do rio Congo (entre R.D. do Congo, Congo e República Centro-africana) e o lago Tanganica (entre R.D. do Congo e Burundi). Pequenas epidemias de cólera em Benim, Costa do Marfim, Gana, Guiné, Libéria e Togo estão sob controle.

FONTE: Agência Fides - 26/10/2011

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

IAM celebra o Dia Mundial das Missões, também, em Moçambique/África



Assim como o Pai me enviou, também Eu vos envio a vós” (Jo 20, 21). Na paróquia de São Miguel Arcanjo, localizada na cidade de Cuamba, Província do Niassa, Norte de Moçambique (África), crianças e adolescentes da Infància e Adolescência Missionária (IAM), celebram com alegria e jubilo o dia Mundial das Missões, ao som de batuque, violão e teclado, com cantos liturgicos e danças tipicas.

A paróquia é composta por 95 comunidades, destas, doze (Adine I, Adine II, Njato, Mutxora, Aeroporto, Mendonsa, Maganga I, Maganga II, João, Mecupa I, Nassombe e São Miguel) tem IAM, que todos os domingos se reunem para celebrar a liturgia da palavra.

Participar, sentir, estar juntos, celebrar com a IAM é reviver, abastecer-se e tornar-se pleno da alegria, da gratuidade, da simplicidade que emana das crianças e adolescentes.

Com a igreja enfeitada com as cores dos cinco continentes, onde do altar desciam como raios de luzes e crianças e adolescentes usando “capulanas” das mesmas cores, deu um colorido especial e belo a Celebração Eucaristica.
 
 

Visita à IAM de Areia Branca/RN e Missa das Crianças

No fim de semana passado ainda, na visita à cidade de Areia Branca / RN, realizamos um encontro no sábado à tarde. Foi bem divertido, brincamos, cantamos, rezamos e refletimos sobre a importância de sermos fiéis aos nossos compromissos.



No domingo dia das Missões, participei da missa das crianças e depois da homilia falei da história da IAM aos presentes. Na missa da noite, que é transmitida pela rádio, também tive a oportunidade de divulgar a IAM depois da homilia, explicando como as crianças e adolescentes vivem a dimensão missionária na IAM.
Agradecemos muito ao pe. Luiz Sampaio e a Ir. Paulina pelo acolhimento e apoio neste serviço missionário.

video

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Enchentes em seis países asiáticos.



Bangcoc (RV) – "É a primeira vez que seis países do Sudeste asiático são atingidos simultaneamente por enchentes tão intensas. É a pior emergência em 50 anos e as Caritas em diversas nações se ativaram nos socorros. A confederação da Caritas Internacional está pronta para lançar um apelo global": é o que diz à Agência Fides Pe. Cesario Sixto Sanedrin, responsável pela Agência Ásia e Oceania na Caritas Internacional, comentando o desastre que atingiu os países da região.

Segundo os primeiros dados gerais fornecidos à Fides, mais de 700 pessoas – um quarto das quais, crianças – morreram e mais de 8 milhões foram atingidas pelas inundações ocorridas na Tailândia, Mianmar, Camboja, Vietnã, Laos e Filipinas.

As monções abateram-se com violência. Chuvas torrenciais e tufões devastaram a região destruindo casas, meios de subsistência e infraestruturas, enquanto a situação meteorológica pode piorar ulteriormente durante a próxima semana.

Em Mianmar – informa "Karuna", a Caritas local –, na província Chin, de maioria cristã, as pessoas precisam desesperadamente de alimentos e abrigos, depois que as chuvas danificaram pontes e ruas. Na Tailândia, um terço das províncias foi inundada pelas águas e nos últimos dois meses, centenas de milhares de pessoas foram obrigadas a procurar abrigos provisórios.

Faltam água, alimentos e serviços higiênicos, afirma a Caritas Tailândia, enquanto a carência de serviços de saúde preocupa os danificados devido aos focos de doenças transmitidas pela água. Camboja também necessita urgentemente de alimentos, água potável e assistência médica para mais de 300 mil pessoas.

As populações de Laos e Vietnã sofreram enchentes e enfrentam dificuldades: muitas aldeias ficaram totalmente isoladas e suas terras foram inundadas, tornando-se inapropriadas para a agricultura.

As comunidades cristãs do Sudeste asiático, refere uma fonte local da Fides, "estão se empenhando como voluntárias nas ajudas de emergência, pediram apoio aos cristãos de todo o mundo, lançaram um movimento de oração para que cesse o dilúvio, para que todos os que perderam seus entes queridos sejam consolados e para que os carentes recebam ajudas".

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Missão em Areia Branca

No fim de semana passado, 22 e 23 de outubro, visitei a Paróquia de Areia Branca, na qual existem 5 grupos da IAM, assessorados por Ir. Paulina. No sábado pela manhã realizamos visitas a famílias carentes, distribuímos alguns alimentos arrecados pelas crianças e no fim de cada visita pedíamos a benção de Deus sobre aquela família. Caminhando, sob forte sol e grande calor, cantávamos os hinos da IAM alegremente. A realidade em que encontramos algumas famílias era impactante, a falta de alimentos, dificuldade de acesso à assistência médica, moradias inadequadas eram predominantes. O que fizemos realmente foi pouco, mas manifesta o amor de Deus, que não se esquece de seus filhos. Pedimos a Deus por aquelas famílias, mas também pedimos a nós mesmos que não nos esqueçamos desses nossos irmãos.

video






segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Estatísticas do nosso blog

Estimados visitantes,  o nosso blog já ultrapassa os 4.200 acessos (a contagem que aparece nesta página foi habilitada após o início). Mas o mais importante e é o que quero destacar é o acesso de pessoas de outros países. Inesperadamente muitos dos nossos visitantes realizam o acesso em outros países, muitos da Europa, da África e alguns da Ásia. Como podemos verificar neste quadro abaixo que mostra as estastísticas de acesso no último mês: 
Destaco isso para mostrar a nossa responsabilidade em publicar as maravilhas que Deus realiza em nosso meio, uma luz não pode ficar acesa debaixo de uma mesa, mas deve ficar em cima para que ilumine o máximo possível. Assim as ações do seu grupo também precisam ser partilhadas para que possam iluminar o máximo possível, até mesmo em outros países. Além de nossas contribuições financeiras chegarem às crianças do mundo, temos a oportunidade de levar a elas o nosso testemunho. Então, realize um esforço, você que é assessor ou líder de grupo e envie-nos  a sua partilha: iammossoro@hotmail.com

Abraço,
Sem. Cledson  - equipe diocesana da IAM

domingo, 16 de outubro de 2011

Projetos da Pontifícia Obra da Infância Missionária em várias partes do mundo



Cidade do Vaticano (RV) - "A Pontifícia Obra da Infância Missionária (POIM) trabalha para aumentar a consciência das crianças sobre o papel que devem desempenhar na Igreja de hoje e de amanhã" – explica a Secretária-Geral desse organismo, Drª Baptistine Ralamboarison, apontando os desafios, compromissos, projetos e metas desta Obra Missionária em favor das crianças do mundo.

"Precisamos fazer com que as crianças cresçam na dimensão missionária, promovendo entre elas a partilha da fé, da oração e dos bens materiais. Precisamos formá-las desde pequenas usando uma linguagem adequada à sua idade. É um grande desafio para o mundo ocidental, onde o consumismo e o relativismo fazem perder de vista os valores cristãos. A criança que recebe corretamente a formação missionária a levará em seu coração por toda a vida e a testemunhará" – frisou a doutora.

Falando sobre os encontros que participa regularmente em todo o mundo, Ralamboarison frisou que nas últimas visitas que fez à América Latina constatou que a Infância Missionária está viva e presente em quase todas as dioceses, sobretudo da Argentina e do Peru.

"Apesar dos graves problemas enfrentados por esses países e a existência de crianças muito pobres, todos partilham com alegria suas disponibilidades espirituais e materiais. O trabalho missionário nesses países é uma realidade: as crianças são animadas e querem ser parte viva da Igreja" – destacou.

A Pontifícia Obra da Infância Missionária financia, a cada ano, cerca de 2.500 projetos em todo o mundo, com um orçamento de 20 milhões de dólares disponibilizados para as necessidades das crianças dos 5 continentes.

Na última Assembleia Geral Anual das Pontifícias Obras Missionárias, realizada em Roma, em maio passado, foram aprovados 261 projetos em favor das crianças na África, 22 para a América Latina, 145 para a Ásia, 13 para a Oceania e 2 para a Europa. (MJ)


Fonte: http://www.radiovaticana.org/bra/Articolo.asp?c=529237

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Situação das crianças soldados



A Missão Conjunta da Organização das Nações Unidas e da União Africana em Darfur (Unamid) anunciou ontem que um grupo armado sudanês concordou em parar de recrutar crianças soldados nas suas fileiras.
Segundo a Unamid, o grupo Liderança Histórica do Exército de Libertação do Sudão chegou a acordo com a missão e prometeu suspender o uso de crianças soldados.
A medida está de acordo com a resolução do Conselho de Segurança que proíbe a participação de menores em conflitos armados.
Ao assinar o acordo, o líder da facção em Darfur, Usman Musa, disse que o grupo não recruta crianças de forma sistemática e que muitas crianças perderam familiares no conflito e procuraram abrigo na facção. Segundo o líder, 120 crianças encontram-se nesta situação.
O porta-voz Usman Musa acrescentou que deu ordem para que todos os ataques a escolas e hospitais sejam proibidos e apelou ao fim “de todo e qualquer comportamento que leve à violência contra crianças, incluindo abusos sexuais e casamentos forçados”.
De acordo com um relatório da Organização das Nações Unidas, pelo menos 15 grupos armados incluem crianças. O documento acrescenta que entre 2009 e Fevereiro deste ano, a Comissão de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração das Nações Unidas para o Norte do Sudão registou 1.041 casos de ex-crianças soldados na província de Darfur.
A Organização da ONU para a Agricultura e Alimentação (FAO) pediu medidas urgentes para evitar uma crise humanitária na fronteira entre o Sudão e o Sudão do Sul.

A FAO alertou que os confrontos na região estão a afectar a produção agrícola e que prevê uma redução significativa de alimentos nos estados do Nilo Azul e Kordofan do Sul.  As duas regiões são palco de combates entre tropas do governo e do Movimento de Libertação do Povo do Sudão do Norte.
A resonsável das operações de emergência da FAO, Cristina Amaral, disse que os recentes confrontos e a irregularidade das chuvas na região podem perigar a colheita do mês de Novembro. “É um misto de uma estação agrícola que não foi boa e de incapacidade de colher o pouco que produziu. A situação pode tornar-se muito mais grave”, alertou Cristina Amaral.
A FAO indicou que a fuga das populações adiou o plantio em Kordofan do Sul e que no Nilo Azul as populações foram forçadas a abandonar as suas culturas devido à eclosão dos combates. Segundo a organização, pelo menos 235 mil pessoas precisam de ajuda alimentar numa altura em que os confrontos coincidem com um período de escassez alimentar.
A organização acrescenta que os estados sudaneses do Nilo Azul e Kordofan do Sul, principais produtores do país, precisam de 3,5 milhões de dólares norte-americanos para operações de auxílio.
A FAO pede acção urgente face à ameaça de surtos de doenças animais e refere ter ocorrido interrupção na migração sazonal do gado nos dois estados, causando a concentração de rebanhos em diversas áreas ao longo das fronteiras.